Prefeitura de Caçapava decreta situação de emergência  na Saúde para combate à Dengue

A Prefeitura de Caçapava decretou situação de emergência na saúde pública para execução de ações necessárias ao combate da proliferação do mosquito Aedes Aegypti e para a efetivação do Programa de Combate e Prevenção à Dengue no município. O decreto nº 4384, com data do dia 3 de junho, foi publicado no Diário Oficial do Estado de São Paulo, no dia 8, e é válido pelo período de 90 dias, sujeito à prorrogação por iguais e sucessivos períodos.

A decisão de fazer o decreto se deve ao fato de o município registrar 341 casos confirmados de Dengue, o que caracteriza situação de epidemia, segundo as Diretrizes para Prevenção e Controle das Arboviroses Urbanas no Estado de São Paulo, para municípios com porte populacional de até 100 mil habitantes.

Com o decreto, a Secretaria Municipal de Saúde fica autorizada a requisitar pessoal e equipamentos dos diversos órgãos da Prefeitura para serem utilizados nas ações de combate, bem como oferecer tratamento médico adequado à população.

Uma das ações emergenciais possibilitadas pelo decreto é o direcionamento dos agentes comunitários de saúde para executar, em conjunto com as equipes de Vigilância em Saúde, ações previstas na Lei Federal nº 13.301, de 27 de junho de 2016, que entre outras coisas, prevê campanhas educativas e visitas a imóveis, principalmente nas regiões com maior incidência de casos registrados.

Por meio do decreto, o município também poderá remanejar recursos orçamentários, de modo imediato, para os pagamentos emergenciais apontados pela Secretaria de Saúde, visando a aquisição de bens, obras e serviços necessários ao êxito da erradicação dos focos do mosquito e tratamento das pessoas atingidas pela doença.

 

Situação da Dengue em Caçapava e ações da Prefeitura

Os bairros mais atingidos pela Dengue em Caçapava são os bairros de Nova Caçapava, Vila Antônio Augusto e Vila Santos, onde está concentrada a maioria das ações de combate aos criadouros.

Dos dias 23 a 25 de maio, uma ação conjunta em Nova Caçapava, envolvendo o Controle de Vetores da Secretaria de Saúde, a Defesa Civil, o Departamento de Serviços Municipais (DSM) e a equipe de trânsito da Prefeitura, retirou 50 toneladas de materiais inservíveis (bagulho, trecos, móveis velhos) das residências e entornos do bairro.

Na ação, foram visitadas 93 residências que estavam pendentes de vistorias em ações anteriores e eliminados 16 focos com larvas do mosquito Aedes Aegypti. Os agentes de trânsito fizeram campanha de conscientização com entrega de cerca de 500 panfletos, e um estande foi montado no bairro para recebimento de materiais e denúncias.

Esta semana, as ações de combate à Dengue, com controle de criadouros, acontecem nos bairros da Vera Cruz (próximo ao bairro Vila Antônio Augusto) e na Vila Resende. E haverá continuidade de nebulização no bairro de Nova Caçapava. Os agentes comunitários de saúde de todos os postinhos também farão campanhas de conscientização nas visitas às residências.

Na última sexta-feira, dia 7, um estande para conscientização e esclarecimento da população no combate à Dengue foi montado na Praça da Bandeira, durante a Semana do Meio Ambiente. No sábado, dia 8, os agentes de saúde aplicaram inseticidas no Leilão de Veículos situado na Vila Antônio Augusto, próximo da Dutra. As escolas municipais também estão recebendo a visita dos agentes nos finais de semana para aplicação de inseticidas.

Todas as unidades de saúde do município estão orientadas e preparadas para receber pacientes com sintomas de Dengue, que são febre alta, dores no corpo, dor de cabeça, náuseas, vômito, dores nas articulações, manchas, coceira e extremo cansaço. Os pacientes que derem entrada com esses sintomas nas unidades de saúde serão encaminhados para coleta imediata de sangue.

Para combater a Dengue é preciso que toda a população contribua com as ações de prevenção, mantendo limpos os quintais e caixas d’água (que devem estar sempre tampadas); as calhas, que não podem acumular água da chuva; colocar areia nos pratinhos de flores; telas nos ralos; guardar pneus, garrafas e qualquer outro tipo de vasilhame ou objeto que possa acumular água e se tornar criadouro do mosquito.